Fundo de Quintal

Na Intimidade, Meu Preto

Não vai na conversa dela
Essa mulher é espeto
Na frente dos outros me chama esse negro
E na intimidade, meu preto

Quando eu saio pra gandaia
Ela faz um escarcéu
Gritando que eu não valho nada
E que a grande culpada é a Princesa Isabel

Mas quando eu volto pra caxanga
Pra descansar o esqueleto
Aí ela me beija todo
Me faz chá de boldo
E me chama, meu preto

Não vai na conversa dela
Essa mulher é espeto
Na frente dos outros me chama esse negr
o E na intimidade, meu preto

Se eu amarro uma pretinha
Ela apronta um bololô
E diz que negro quando pinta
Tem três vezes trinta e que eu sou seu avô

Porém quando eu chego inspirado
E lhe declamo um soneto
Aí ela posa de musa
Me usa e lambuza
Me chama, meu preto

Não vai na conversa dela
Essa mulher é espeto
Na frente dos outros me chama esse negro
E na intimidade, meu preto

Ela diz pra todo mundo
Que eu atraso a sua vida
E quando eu não sujo na entrada
É fava contada eu sujar na saída

Porém quando eu danço gostoso
A dança do minueto
Aí ela ajoelha e chora
Jura que me adora
E me chama, meu preto

Não vai na conversa dela
Essa mulher é espeto
Na frente dos outros me chama esse negro
E na intimidade, meu preto

Play