Cláudio Lacerda

Riacho da Divisa

Quando a tarde bem mansinha, vem chegando com a brisa
Eu me sento lá na beira, do riacho da divisa

Que é prá ver a sua imagem, que aparece num regato
Mas que a noite logo apaga, carregando água abaixo

É da cor dos seus cabelos
Que os meus olhos não se esquecem
É da sua cor morena
Que o meu coração carece
É da sua cor morena
Que o meu coração carece

Solidão é um nó na peia, que não ata e nem desata
Feito corte de chicote, que machuca mas não mata

A saudade é uma visita, vai entrando sem aviso
Prá sair não tem demora, feito moda de improviso

É da cor dos...

Play