Chico Rey e Paraná

Blusa Vermelha

Quando olho pra parede vejo o seu retrato
As lagrimas banham meu rosto num pranto sem fim
Sento na cama e fico sozinho no quarto
Vem a saudade maldita e se apossa de mim

Levanto vou no guarda roupa e abro as portas
E vejo a blusa vermelha que você deixou
Ai então o desespero rouba a minha calma
Eu saio pra rua e até minha alma
Chora em silêncio ao sentir minha dor
Deus ó senhor poderoso eu lhe faço um pedido
Mande um alívio para esse coração que sofre
Se ela um dia regressar, eu lhe agradeço
Porém padecer como eu padeço, prefiro mil vezes
Que me mande a morte.

Levanto vou no guarda roupa e abro as portas
E vejo a blusa vermelha que você deixou
Ai então o desespero rouba a minha calma
Eu saio pra rua e até minha alma
Chora em silêncio ao sentir minha dor
Deus ó senhor poderoso eu lhe faço um pedido
Mande um alívio para esse coração que sofre
Se ela um dia regressar, eu lhe agradeço
Porém padecer como eu padeço, prefiro mil vezes
Que me mande a morte.

Play