César Oliveira

Mas que baita gauchada

Numa lobuna, potrinha boba de freio
Apertei bem os arreios e larguei no rumo da aguada.
Prá tomá um trago e atirá um osso ferrado
No bolicho do pintado, metendo suerte clavada

Trote monarca, cacho atado a cantagalo
Pois se ando de'à'cavalo não é de medo das cobras
Ganho minha vida pechando boi sobre as garras
E às vezes faço uma farra, sempre que a plata me sobra

Vinha cruzando, num rancho costa de cerro
E nisso me atira um beijo, uma linda na janela
Nego pachola já quis me luzir pra outra
Levei o corpo na potra e esbarrei lá junto dela

Achei bonito e fiz uma graça com o pala
E a lobuna se resvala e prende um coice nos talher
Perdi os estribos, de pronto as rédeas me toma
Fui botar fora essa doma só por causa de mulher

Peguei o grito e a lobuna não me ouviu
Em duas se repartiu mandando lombo comigo
Me agarrou mal. E eu tive que cruzá a perna
Só Deus é quem me governa? Mas eu respeito o perigo!

Mas que serviço, mas que baita gauchada!
Na frente dessa morada perfumada de jasmin
Fiquei de a pé, e ela rindo na cancela
E essa lida da janela nem era tão linda assim.

Play