César Oliveira

Das Coisas Simples da Gente

Uma gaita de botão um candeeiro enfumaçado
Um bailezito ajeitado num ranchito de torrão
Onde a própria evolução se apeia de madrugada
Matando a sede na aguada da mais pura tradição

Um rangido de basteira cantiga de correr boi
Num tempo que ano se foi pois tem alma de fronteira
A velha pampa campeira de repente se agiganta
Quando um índio abre a garganta numa marca galponeira

São coisas simples que falo do jeito da minha gente
Que levanta o continente antes do canto do galo
Bebe apojo do gargalo da noite negra chirua
Trança tentos ronda luas e faz pátria de a cavalo

Um aparte campo a fora de salta grama pra cima
E um ovelheiro da estima troteando abaixo da espora
Uma guitarra que chora numa coplita sentida
Misturando vida e lida com a fé em Nossa Senhora

Um buenas bem macanudo num saludo de fronteira
Um êra êra tropeiro um sovéu dos cabeludo
Um pingaço topetudo pra um domingo de carreira
E uma chinoca faceira bonita acima de tudo

Play