Carlos Galhardo

Canário

Oh! como o destino é falho
Como é feliz teu canário
Preso na tua afeição
E eu sofro sem teu afeto
Na vida apenas vegeto
Com as penas desta ilusão

Ele tem asas doiradas
Aflições de asas quebradas
É o que eu sinto dentro em mim
E enquanto alegre ele canta
Eu sufoco na garganta
A mágoa que não tem fim

Ele, quando o dia nasce
Ganha uma folha de alface
Eu anseio em sonhos vãos
Eu sinto angustia dantesca
Ele tem sol e água fresca
Colhidas por suas mãos

Diferente a vida rola
Tens teu canário em gaiola
E no peito um alçapão
Podias fazer de conta
Que eu sou na vida vitonta
De prender meu coração

Play