Carlos Cezar e Cristiano

Vai meu carro velho, vai

Lá vai o carro, com seu carreiro
Deixando rastros neste solo brasileiro meu
Cante uma música, velho cocão
Para que todos lembrem sua tradição

Minha boiada, deixe seu rastro
Puxando forte o velho carro com seu casco sim
Não é preciso usar ferrão porque ferir seu coração
Ouço seus passos no compasso do cocão

Vai meu carro velho, vai
Você e eu somos mesmo quase iguais
Porque, tudo mudou eu sei
Choro a saudade do que foi e não volta mais.

Serras e vales, meu carro vai
Atravessando entre campos e revoadas de pardais
Meu carro cante pra mim uma canção
Que seu carreiro tem no peito um coração que dói

Carreiro vai, carreiro vem
De longe escuta o rangido de cocão no além
Cantarolando este homem se agita
Suspendendo o braço grita, viva o nosso sertão

Vai meu carro velho, vai
Você e eu somos mesmo quase iguais
Porque, tudo mudou eu sei
Choro a saudade do que foi e não volta mais

Choro a saudade do que foi e não volta mais
Choro a saudade do que foi...
Vai meu carro velho, vai.

Play