Carlos Cezar e Cristiano

A Volta do Boiadeiro

Por que voltei vocês quer saber agora
Por que voltei se sorrindo eu fui embora
Por que voltei se deixei meu par de espora
E o meu cavalo esquecido em campo a fora.

Voltei trazendo no peito a dor da saudade
Do velho pingo, meu amigo de verdade
Voltei de novo pra cantar lá nas pousadas
As velhas modas com vocês companheirada.

Há muito tempo vocês devem estar lembrados
Por um alguém eu parti enfeitiçado
Um boiadeiro que jamais foi dominado
Por essa ingrata acabou sendo enganado.

Voltei pra pôr minha bota empoeirada
Ouvir o galo anunciando a madrugada
Quero abraçar o meu cachorro campeiro
Ouvir ao longe o berro dos pantaneiros.

Se estou chorando com franqueza é que eu digo
Não é por ela ao passado já não ligo
Igual a ave que retorna ao ninho antigo
Choro de alegre em rever os meus amigos.

Quem não sentiu o ar puro das campinas
E nunca ouviu um berrante em surdina
Não viu a lua deitado sobre um baixeiro
Não sabe amigos, quanto é bom ser boiadeiro.

Play